was successfully added to your cart.

image_pdfimage_print

A metade da laranja

Posted by | banco de ideias | No Comments

Quando acreditar ou não na vocação para determinada profissão

Você já tentou fazer um teste vocacional? O próprio nome que leva o questionário já dá a ideia de que a escolha da profissão, para ser bem sucedida, precisa de vocação. Esta palavrinha, por sua vez, vem do latim e quer dizer predestinação, ou seja, escolher a profissão é atender a um chamado divino, como se a pessoa tivesse nascido para isso. Será?

De fato, há casos na história de pessoas que, desde pequenas, já sabiam o que queriam fazer e deram muito certo nas profissões escolhidas. Mozart, por exemplo, aprendeu a tocar o piano cravo (que evoluiu para o piano de hoje em dia) já aos três anos e a compor aos quatro. Outro exemplo interessante é Leonardo da Vinci, que foi um cientista, matemático, engenheiro, inventor, anatomista, pintor, escultor, arquiteto, botânico, poeta e, não satisfeito, músico.

Não, você não precisa se desesperar caso não projete prédios ou escreva livros como “Dom Casmurro” desde os cinco anos de idade. Muitos autores, inclusive, têm revogado a ideia de vocação, defendendo que, se a pessoa está predestinada a escolher determinada profissão, no fundo, no fundo, não é ela quem está escolhendo. Cada pessoa é única em todos os sentidos, sendo assim, fica muito difícil afirmar que, mesmo antes de passar pelas próprias experiências, já tem definido entro dela o que ser quando crescer.

O importante, acima de qualquer outra coisa, é estar satisfeito com a carreira escolhida. Muitas pessoas sequer têm consciência de sua vocação e, além disso, muitas das que têm não a escutam no decorrer de sua vida. Não há com o que se preocupar caso você não descubra o que “nasceu para fazer”. Lembro-me de uma paciente que atendi muita aflita, porque achava que não tinha talento algum. Entretanto, ela era uma menina super carinhosa e foi exatamente essa característica que acabou se revelando sua vocação: ela se tornou cuidadora de crianças com Síndrome de Down, uma atividade na qual, além, do preparo técnico, a afinidade faz toda a diferença.

Para se realizar com a escolha profissional, na verdade, nem sempre é necessário ter ou ouvir sua vocação. Se você ouviu a sua, siga. Caso contrário, participar de uma orientação profissional pode ser um caminho para descobrir como utilizar seus talentos para ser um bom profissional, independentemente da carreira pela qual optar.

Procura-se: orientação profissional

Posted by | banco de ideias | No Comments

Saiba quando procurar um profissional para definir a carreira

Sem sombra de dúvida, a decisão profissional é uma das mais difíceis de toda a vida e, normalmente, a pessoa conta com a ajuda de todas as pessoas próximas. Na tentativa desesperada de não errar, é mais do que comum pedir ajuda para a família toda, mais amigos, professores e quem for necessário. E quando, mesmo assim, a pessoa fica apenas cada vez mais perdida?

Provavelmente, essa é a hora de procurar ajuda profissional. Isso não é uma coisa ruim, muito pelo contrário. Significa apenas que você precisa de um suporte a mais para se encontrar perante todas as opções de carreira que existem atualmente. Por que isso seria um problema? A Lei de Diretrizes e Bases da Educação, de 1996, defende, inclusive, que uma das atribuições das escolas é justamente já encaminhar o jovem ao mercado de trabalho.

A orientação profissional pode ser feita na escola, em pequenos grupos ou até individualmente, e ainda podem variar de 8 a 12 semanas. E isso é apenas uma prova de que o processo do aconselhamento, tanto quanto o da escolha em si, é de fato complexo e, portanto, ter dificuldade para escolher a carreira a seguir não deve gerar frustração, porque é absolutamente normal.

Vale lembrar que, quando feita com um especialista, a orientação profissional busca analisar não apenas as aptidões do indivíduo, mas também fazê-lo se conhecer melhor para ir além do “gosto de matemática, então vou fazer engenharia”. A primeira parte do desenvolvimento da orientação é justamente levar o orientando pelo caminho do autoconhecimento.

Provocando o reconhecimento das características, interesses, aptidões, valores, estilo de vida, sonhos e ideais, o estudante é preparado para conhecer a vida universitária do curso o qual acredita ser o ideal. Afinal, serão ao menos quatro anos de matérias e pesquisas. E quanto mais afinidade você sentir com tudo isso melhor.

Além de conhecer, também, as profissões e o mercado de trabalho da área desejada, a orientação trabalha com mais uma questão importantíssima: a maturidade para fazer a escolha e assumi-la. Com tudo isso, se você sente dificuldades em escolher que curso prestar nos vestibulares e que projetos de vida têm para sua vida, a orientação profissional pode ser uma bela ajuda; um sinal de que você leva seu futuro a sério e sente que merece uma vida boa pela frente. Permita-se ser guiado para mapear a si mesmo e, assim, construir o futuro do jeito que você deseja.

Entrar por um ouvido… e depois?

Posted by | banco de ideias | No Comments

Quando ouvir (ou não) conselhos para a escolha profissional

Escolher a profissão à qual seguir, mesmo que não precise permanecer a mesma para sempre, é, sem sombra de dúvida, uma das decisões mais complexas de toda a vida. Tanto na hora de examinar as possibilidades quanto depois de definir a carreira que seguirá, medos, angústias e inseguranças são extremamente comuns.

Para aliviar esse furacão que costuma aparecer na cabeça do vestibulando, parentes e amigos tendem a dar conselhos sobre qual serve ser a melhor opção, seja pensando no que combina mais com a personalidade ou no que seria financeiramente mais vantajoso. Mas e se os conselhos dos amigos e parentes forem contra a sua intuição?

Conselhos sempre são interessantes, pois podem ajudar a enxergar pontos, tanto negativos quanto positivos, que antes não passavam pela sua cabeça. Por exemplo, gostar de praticar esportes não necessariamente significa que a carreira dos sonhos será Educação Física. Por outro lado, se a profissão será sua, por que a decisão não seria?

Uma pesquisa realizada pelo MEC em 2009 chegou à conclusão de que, todos os anos, cerca de 900 mil pessoas desistem do curso universitário que escolheram. Por mais que não interfira em absolutamente nada do sucesso profissional repensar o curso escolhido. Quando a pessoa escolhe aquilo que de fato tem vontade de fazer as chances de isso acontecer se tornam menores.

Escolher a profissão que outras pessoas desejam ou sugerem pode ser uma opção, desde que, depois de pesquisar sobre as sugestões, de fato você se identifique com uma delas. Você não precisa recusar ajuda, mas o caminho mais autêntico para ter realização plena na carreira, bem como nas outras áreas da vida, é ouvir o seu coração, agir de acordo com os seus sonhos e se comprometer de verdade com as metas e projetos de vida.

“A” grande escolha

Posted by | banco de ideias | No Comments

Todas as decisões são importantes para determinar a sua vida

Na hora de preencher o formulário de inscrição no vestibular, selecionar o curso geralmente dá um friozinho a mais na barriga. Medos como o de se arrepender, não gostar da profissão, não agradar a família ou ainda de ter problemas financeiros são muito frequentes. Afinal, é a decisão mais importante da vida, certo?

Errado. A escolha profissional é importante, sim, mas não se engane: no decorrer da sua vida, terá de tomar outras decisões tão importantes quanto ou até mais. Pense na escolha amorosa, por exemplo. Namorar? Ficar? Casar? Morar junto? Filhos? Quantos? A vida é cheia de opções. Que bom. E que dureza. Como tudo o que acontece desde quando a gente nasce, a profissão escolhida terá pontos positivos e negativos, e estar satisfeito nas áreas da vida além da carreira também é importantíssimo. Inclusive para o sucesso profissional.

Vale lembrar, portanto, que, apesar da escolha profissional dar um grande direcionamento para as outras escolhas, você não irá trabalhar 24 horas por dia, assim como terá outras responsabilidades e interações sociais, na família, amizades e relacionamentos. Além disso, vêm se tornando cada vez mais comum vermos pessoas que percebendo que não estão felizes quanto esperavam em seus respectivos empregos e mudando de carreira.

E isso é normal. Um sinal de amadurecimento ou de que a pessoa mudou. É nesta hora que a música de Raul Seixas precisa tocar em nossa mente: “Prefiro ser uma metamorfose ambulante do que ter aquela velha opinião formada sobre tudo”. E a melhor parte é que não há problema algum nisso.

Novas profissões também surgem a todo o momento. Ninguém acreditaria, por exemplo, há alguns anos atrás que daria para ter seu sustento como designer e programador de games, engenheiro de mobilidade, MC ou ainda educomunicador. Até porque, depois de escolhida a profissão, geralmente se convive ao menos oito horas por dia com ela e, caso esteja insatisfeito, por que não correr atrás da própria felicidade? Não seja uma pessoa jovem com ideias velhas.

Portal GPS Profissional – Um guia para mapear a si mesmo e escolher a sua profissão

Posted by | banco de ideias | No Comments
ADQUIRINDO O CURSO

Para ser utilizado em contexto clínico, empresarial e outros, esta obra se destina a pessoas das mais diversas idades que querem escolher uma profissão ou repensar sua trajetória profissional.

Escolher uma profissão não é tarefa fácil. As inúmeras opções podem confundir, e os detalhes sobre o mercado de trabalho podem assustar. Então, quanto mais preparado você estiver para enfrentar essa fase, melhor será sua escolha, e, provavelmente, com muito mais chances de ser bem-sucedida. Assim como escolher uma primeira profissão, mudar de carreira também é uma decisão complexa e corajosa. O GPS Profissional surgiu para ajudar, com mais clareza, segurança e senso de direção.

O Portal GPS Profissional nasceu como uma ferramenta que completa as atividades do livro. Com vídeos práticos
do idealizador do projeto, o psicoterapeuta e educador Leo Fraiman, e conteúdos sobre escolha profissional, autoconhecimento, transição de carreira, entre outros, o profissional é orientado do começo ao fim do processo a ser realizado com seus orientandos.

Ao adquirir o curso, o orientador recebe cinco livros do GPS Profissional, além de um login e senha para acessar
a “Área do profissional”. Nesse espaço, ele tem acesso aos vídeos de capacitação, nos quais os conteúdos do livro são explicados individualmente. Esses clipes servem de base para que seja realizada uma avaliação, confirmando sua qualificação inicial para aplicar o método. Ele ainda tem acesso a conteúdos exclusivos voltados para o marketing profissional e para o seu aperfeiçoamento continuado como orientador.

A “Área do profissional” permite o cadastro de seus orientandos e o acompanhamento da evolução de cada um deles, à medida que realizam as atividades do livro. Todas as atividades também contam com o apoio e as explicações em vídeo. Esses filmes são mostrados antes e depois de cada atividade, o que oferece ainda mais segurança no processo. Ao concluir o curso, é emitido um certificado para os orientandos.

O Portal GPS conta ainda com um “Banco de ideias”, no qual são postadas dicas, vídeos e conteúdos interessantes para aqueles que buscam escolher uma profissão e para os que almejam mudar de carreira.

É um projeto dinâmico e completo, com atividades sistemáticas e conteúdo online para orientar, de forma eficaz, no caminho rumo a uma vida feliz e realizada, uma vida com atitude empreendedora.